quarta-feira, 8 de março de 2017

Adormecido

E neste vazio de mim, sigo adormecido pela vida
entre a paisagem cinza da cidade de pedra.
Quero encontrar brilho nos olhos e
lamentar as ausencias do mundo,
descansar meus pesos no abraco perdido
que me esquece no caminho.
Tento lembrar onde me perdi e para quem foi?
Sei apenas que o mundo depois disso parou,
me perdeu no vazio dos dias, e
sentiu o desprezar das horas.

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Expressao

Havia em mim a grande necessidade de me expressar
de expor tudo que se agita por dentro
todos os pensamentos que me afogam
e que se agarram a vida.
era um turbilhao de sentimentos
invadindo e tomando conta do tempo
querendo se espalhar por outros espacos.
Sempre houve em mim o vazio
sempre existiu aquela fome do que nao ha
no tempo em que tudo se partia
na triste ignorancia de existir em vao.




quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Caminho na cidade

A cidade segue fluindo
Neste enlouquecer continuo
De seres que se cruzam
Neste ir e vir sem fim.
Cruzo com o desconhecido
E tambem com o estranho conhecido
Que todo dia me perpassa na ansia
Do caminhar para o nada.
Este estranhamento cotidiano
De tudo e todos que meu olhar ja reconhece
E desfaz caminho afora.
E em toda a minha gana de encontrar
Teu olhar no meu caminho, espero dia-a-dia
A possibilidade de ver-te, ter-te, tocar-te
Neste entrelacar de maos, de sentir tua pele
E arrepiar ao toque.
Sempre me atento ao olhar que me ultrapassa
Na vida e na euforia apos te ter.
E me alegro com teu sorriso bobo, e canto
Cada tanto de estar.

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Colo

Me dá teu colo
teu peito
teu ar em mim,
me beija devagar e demorado
e me faz esquecer o que há lá fora.
atrás das janelas.
Pousa minha cabeça no teu corpo,
minha alma no abraço,
meu cansaço no teu sono
e repousa em mim, em nós.
Acaba com meus medos,
fala coisas banais
que me tirem o sério do canto da boca.
Faz sorrir meus olhos ao ler-te.
Deixa minhas mãos decifrarem teus poros
e no arfar do momento,
contemplar o instante interminável.

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Me perco

Quando em ti me perco
em ti me faço
por ti esqueço
em mim, só espaço,
que por si desfaz cada pedaço.
Em minha verdade de cada mentira
a palavra cala meu olhar no teu,
e no meu silêncio pungente
temo cada pedaço do caminho.
Me esqueço da vida, quando em meu peito
tua cabeça pousa, tua boca toca,
teu olhar apaga, tua respiração vibra.
me perco sempre, e sempre sei que morro
no apogeu do encontro.


terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Não sei o que quero,
nem o que busco no teu querer,
mas te espero a todo momento.
ansioso na vontade contida,
renascendo em meus poros,
que em tua boca na minha vai descobrindo.
Na minha pele o arrepio,
e no gemido o silêncio.
Perco e absorvo cada pecado,
do suspiro prazeroso,
no suor do teu lábio,
dos teus dedos as marcas
na pele salpicada de pêlos em riste.

Cansaço

Me deixa pousar meu cansaço no teu peito,
meu desejo no teu corpo,
minha sede no teu sexo,
me deixa perdido,
me encontra, se assim estou.