terça-feira, 24 de outubro de 2017

Ao final

Queria o abraço da despedida,
Peito no peito,
Respiração no pescoço,
O fechamento de um ciclo.
Queria a confirmação do fim,
Queria a certeza,
Mesmo sabendo que meu peito já dizia isso,
Mas preciso de provas cabais.
Eu sabia que viria,
Mas sentir que realmente foi, dói.
Dói porque foi bonito, intenso,
Vivo, quente e loucamente inesperado.
Mas aceitar é a parte foda.
Queria mais um toque,
O gosto, o beijo, desejo, êxtase.
Foi longo e agora tão curto.
Foi inesperado e agora já não é nada,
É vazio, tortura, imensidão.

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Nudez

Eu me dispo para você.
Me abro, entrego, mostro desabo.
Então,
Me olhe, receba, leia, segure.
Faça valer.

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Não

Não deixe que se apague,
Não permita que se acabe,
Não pressinta que se afaste,
de tudo que há deste ardor.

Não persista na ausência,
Não abandone a essência,
Não despreze a insistência
do sentir que há deste Amor.

Não se iguale ao antes,
Não se abale por um instante,
Não se deixe tão distante.
Do ferver e despedaçar deste rancor.

Não se ampare sem voltar,
Não me desampare sem pousar,
tua boca na minha, teu corpo no meu,
Meu sonhos espalhados pelo ar.




quinta-feira, 15 de junho de 2017

Estanque vazio

Preciso estancar tua presença,
amenizar tua vida em mim,
esquecer teu respiro,
como quem acolhe no peito a dor,
aquela da ausência da morte.
Necessito do silêncio em mim,
que meus poros parem de respirar,
oh de mim, de não sentir mais.
Busco anestesiar o vazio
do silencio de tuas palavras.
Quero o não querer, o simples,
o me esvaziar.

quarta-feira, 14 de junho de 2017

fluído

Sinto uma ânsia,
algo em mim quer explodir,
expandir, se espalhar.
Quero gritar o agora,
como algo entre feliz ou triste.
Uma incerteza no sentido,
naquilo que cala,
em tudo o que em mim abafa.
só quero te escrever, dizer,
nem sei pra quê, mas necessito
falar nada e tudo ao mesmo tempo.
É um fluído que percorre a vida,
e sem saída, ainda não sabe onde vai terminar.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Todo do caminho

Todo meu caminho segue ao teu encontro,
no deslizar do percurso já sei onde vou ancorar.
Não preciso pensar,
não é necessário saber,
é só seguir para chegar a ti.
Me sacio nos teus lábios,
que me marcam a tarde,
o corpo,
a chuva sem fim.
sou eu, e não mais
sou você e o todo de nós,
sou, e não mais ninguém.

quarta-feira, 8 de março de 2017

Adormecido

E neste vazio de mim, sigo adormecido pela vida
entre a paisagem cinza da cidade de pedra.
Quero encontrar brilho nos olhos e
lamentar as ausencias do mundo,
descansar meus pesos no abraco perdido
que me esquece no caminho.
Tento lembrar onde me perdi e para quem foi?
Sei apenas que o mundo depois disso parou,
me perdeu no vazio dos dias, e
sentiu o desprezar das horas.